quarta-feira, 16 de março de 2011

São Raimundo - "Tri" do Norte [Parte III]

O jornal "A Crítica" neste último domingo, contemplou o torcedor amazonense com matérias comemorativas aos 10 anos do tricampeonato da Copa Norte conquistada pelo  São Raimundo Esporte Clube. Vejamos agora  a terceira matéria:

"Parte III - São Raimundo comemora dez anos de Tricampeonato do Norte – O Grande Herói

Com um gol salvador aos 42 minutos do segundo tempo, Alberto levou o Tufão ao tri

Alberto tinha plena convicção de que faria o gol (Arquivo/ AC)


Todos os jogadores entrevistados pelo CRAQUE para a série “10 anos do tri”, foram unânimes em apontar a Copa Norte de 2001 como a mais difícil e emocionante de ser conquistada. Também, pudera. Após enfrentar dois times do Maranhão nas últimas três finais, o São Raimundo encontrava finalmente, uma equipe do “rival” Pará na decisão, o Paysandu. E graças a um gol aos 42 minutos do 2º tempo, marcado por um volante  que apesar de discreto em campo, era predestinado a aparecer em momentos decisivos, o Tufão conquistou o Norte pela terceira vez. Mas, Alberto, o autor do gol, quase não entrou em campo naquela tarde de domingo, 18 de março de 2001. A princípio, o treinador Aderbal Lana substituiria o artilheiro Delmo pelo atacante Niltinho. Mas devido a insistência do volante, ele foi para o jogo. “O Lana já havia feito duas substituições. Nós estávamos aquecendo e ele chamou o Niltinho. Percebi ali, que eu não iria jogar. Saí do aquecimento e fui para o lado do banco, ouvir o que o treinador estava pedindo pro Niltinho fazer. O Lana gostou da minha atitude e decidiu na hora, me colocar no lugar do Delmo”, revelou Alberto. Horas antes, em um hotel onde o time estava concentrado, o camisa 13 já havia dado uma demonstração de que seria o herói da decisão. “Fizemos uma reunião e todo mundo que pedia a palavra ficava falando em derrota. Teve jogador dizendo que o Paysandu era uma grande equipe, e que se a gente perdesse não seria um resultado ruim. Fiquei calado escutando tudo, até todos falarem. Eu pedi a palavra e disse que eu ia entrar no jogo e decidir a partida, pois não gostava de perder”, contou o iluminado Alberto.

Após deixar o São Raimundo em 2002, ele tentou inovar montando uma cooperativa de jogadores que passou por Nacional e América, mas o projeto não teve os resultados esperados. Formado em Educação Física, o ex-jogador está longe do futebol. Ele é dono de uma distribuidora.  Outro jogador importante na conquista foi o goleiro Iuna. O goiano de Itumbiara jogou literalmente no sacrifício.

 “Tive uma virose durante a semana e estava com febre no dia da final. Eu tinha participado de todos os jogos e não ia ficar de fora justamente na final. E foi maravilhoso. A torcida do Paysandu já estava comemorando quando o Alberto fez o gol. Sou grato ao São Raimundo por tudo que me proporcionou”, contou Iuna, que foi preparador de goleiros do Nacional até semana passada.

Ficha técnica

São Raimundo 1: Iuna, Paulinho, Ademir, Luis Cláudio, Donizete, Guara, Isaac, Sidney (Luíca), Ewerto(Cabeção), M. Araxá, Delmo (Alberto), T , Lana
Paysandu 0: Julio César, Valentim, Gino, Sérgio, Marquinho, Luis Carlos, Sandro (Ari), Lecheva, Rogerinho, Zé Augusto, Edil (Luizinho), T , Givanildo
Estádio: Vivaldo Lima (Manaus)
Pagantes: 21.835 
Arbitro: Alfredo Loebeling (São Paulo)
Gol: Alberto, aos 42 minutos do 2º tempo para o São Raimundo.

O cara

 Alberto sempre foi um volante raçudo e predestinado ao papel de protagonista. Foi dele o gol do Tri da Copa Norte, mas Alberto ainda teria outro momento inesquecível no São Raimundo, quando, de falta, fez o gol que salvou o Tufão da queda em 2003.

 Uma batalha pra lá de épica em dois atos

São Raimundo e Paysandu fizeram dois jogos épicos nas finais da Copa Norte de 2001. Com melhor campanha, o Tufão tinha a vantagem de dois resultados iguais. Devido a reforma do Mangueirão e ao estádio da Curuzu não ter a capacidade mínima exigida para a decisão, o jogo de ida, seria disputado em Santarém. O Paysandu propôs ao São Raimundo que o jogo fosse em seu estádio, e o Tufão aceitou. “Me chamaram de louco. Eu achava uma injustiça o jogo acontecer em outro local e aceitei jogar na Curuzu. Sabia que nosso time seria campeão”, contou Ivan Guimarães, ex-diretor do Tufão. O time paraense venceu por 1 a 0, em um pênalti polêmico convertido por Edil, aos 41 do 2º tempo. Já no Vivaldão, a colônia Paraense marcou presença  e já comemorava o título. Aos 41 minutos, Luíca cruzou da direita, a bola bateu na mão do zagueiro do Paysandu, mas o juiz ignorou. A jogada seguiu, o São Raimundo recuperou a bola que chegou em Luíca que novamente cruzou da direita para Marcelo Cabeção, que bateu de primeira. O goleiro Julio Cesar defendeu, mas Alberto, na pequena área, aproveitou o rebote e marcou o gol que garantiu o Tri ao Tufão.

Ivan Guimarães  ex-diretor de futebol do são raimundo e atual vice-presidente da FAF

1  Quando você começou no São Raimundo, em 96, imaginava que o clube teria uma ascensão tão rápida?

O São Raimundo era o único clube daqui que tinha estádio, mas sequer disputava o Campeonato Amazonense. Chamei o Maneca e começamos o trabalho ali. Mas jamais esperava que tudo crescesse tão rápido. Demorou a cair a ficha. Tivemos uma sequência fantástica. Tri Estadual, do Norte, Comembol, vice da Série C, seis anos de Série B. Foi uma parte de minha vida que vai ser difícil de esquecer.

2  Há quem credite a decadência do clube a você. O que tem a dizer sobre isto?

Tivemos dificuldades em nos manter em alto nível, éramos dependentes da ajuda do Governo. Foi quando senti que meu ciclo estava encerrado. Muita gente diz que eu fiquei rico às custas do São Raimundo. Isso é mentira. Tenho apenas um carro do ano 2000 e uma casa. Deixei o clube sem uma pendência. Todos os convênios que fiz foram julgados e aprovados. Tenho o nome limpo.

3  Voltaria a trabalhar no São Raimundo?

Aqui na FAF eu trabalho para que nosso futebol melhore. Quem sabe um dia eu volte ao Tufão."


Nota de correção: O Gol de Alberto que salvou o Tufão da queda foi em 2002 e não 2003 como mencionado. Aliás, tinha 12 anos quando ouvi pelo rádio o narrador Arnaldo Santos gritando: "É GOL É GOL É GOL TORCIDA AMAZONENSE, É GOL É GOL É GOL TORCIDA COLINENSE...". Simplesmente sensacional.

Campeonato Brasileiro de 2002 - 27º rodada: São Raimundo 4x3 Vila Nova (12/11/2002)


Reportagem sobre o jogo final da Copa Norte de 2001

2 comentários:

Elias Abensur disse...

Peço que você faça uma correção, Dilson. O gol que salvou o São Raimundo da queda para a 2ª divisão foi o 4º gol, na vitória do São Raimundo sobre o Vila Nova-GO por 4X3, foi na edição de 2002, não na de 2003. Em 2003, o São Raimundo venceu o Joinville-SC e se manteve na série B com duas rodadas de antecedência.

16 de março de 2011 13:08
Dilson Oliveira disse...

Verdade Elias, farei uma nota de correção, pois não quero alterar o texto original do jornal A Crítica. Obrigado por verificar a falha.

16 de março de 2011 13:12

Postar um comentário